Cultura

    Esquadrão Suicida: 5 motivos para assistir e muito mais!

    E finalmente Esquadrão Suicida teve sua estréia no cinema! Mas e aí? Será que é bom mesmo? Tanta publicidade em torno do filme gerou enorme expectativa nos fãs da DC. Eu como boa fã de quadrinhos e de todo o universo geek, não resisti e fui assistir ao longa logo na estréia e claro, como falei no snapchat (me segue: maritrigo), vim contar o que achei do filme, mostrando 5 motivos para assistir e mais alguns extras!

    Esquadrão Suicida: 5 motivos para assistir e mais!

    Afinal, o que é o Esquadrão Suicida?

    O Esquadrão Suicida é formado pela A.R.G.U.S., e tem como líder a agente Amanda Waller, que decidi reunir uma equipe de criminosos que trabalham em missões fora de suas penas de prisão perpétua, a chamada Força Tarefa X.

    São diversos os vilões e conforme o tempo passa, alguns morrem e outros começam a fazer parte da equipe, no filme ele é formado pelos vilões: Pistoleiro, Arlequina, Capitão Bumerangue, El Diablo, Amarra, Crocodilo e Magia, e eles ainda contam com a ajuda de Katana e do agente das forças especiais Rick Flag.

    5 motivos para assistir Esquadrão Suicida

    O filme se passa após Batman vs Superman, quando o Superman morre (morre mesmo? será?), e todos ficam se perguntando como vai ser agora que temos outros meta-humanos, e antes de A Liga da Justiça, e saber disso faz total diferença para entender um pouco mais da história, e claro, pegar alguns ganchos do que pode acontecer nos próximos filmes da DC. E não se esqueça de que este post pode conter spoilers!

    1. Arlequina + Coringa

    É uma das histórias centrais do filme, mostrando como é a relação deles. O mais legal é ver como a Dra. Harleen Quinzel, por conta de sua paixão pelo Coringa, e toda a influência dele, a transformam na Arlequina. O filme mostra de uma maneira mais profunda a relação dos dois, com flashbacks e aparições bem pontuadas dele.

    Claro que muita se espera do Coringa, porém e principalmente por ele não fazer parte do Esquadrão Suicida, a aparição é menor e mais pontuada. Vou falar dele em específico mais para baixo, nos “Extras”.

    2. Apresentação dos Personagens

    O começo do filme tem uma montagem bem diferente, ao som de música pop e onde são apresentados cada um dos personagens. Achei bem interessante saber um pouco mais de cada um deles, mostrando inclusive como eles foram presos e um pouco mais da personalidade deles. Isso ajuda a entender mais o porque de cada um ser como é, o porque de estarem presos e inclusive mostrando sua relação com outros personagens, como Batman e Flash.

    E uma das melhores coisas, é que como são muitos personagens, alguns tem mais destaque do que outros, e pois isso essa parte é muito importante, e até faz a gente querer saber mais deles!

    3. Diversidade e Representatividade

    Uma coisa bem acertada foi a escolha do elenco, pois tem de tudo: japa, negro, latino, branco e até crocodilo! Acho muito importante ter representatividade, ainda mais em filmes de super heróis, que tem um alcance tão grande.

    Apesar disso, os personagens que morrem são justamente os latinos. Sei que acontece algo parecido nos quadrinhos, mas né? Um deles eu realmente não queria, pois gostei bastante do personagem.

    Outra coisa são as mulheres. Muito se falou da Arlequina estar muito sexualizada, mas achei que no geral, durante o filme isso fica mais leve, obviamente algumas coisas não precisavam, mas uma das coisas é que a Arlequina usa essa sensualidade a seu favor, então muito disso faz parte da personagem, que está realmente muito bem interpretada pela Margot Robbie, que mergulhou a fundo no papel. Um outro destaque é a Viola Davis, que está muito incrível no papel da Amanda Walles, que uma personagem bem forte nos quadrinhos da DC.

    4. Participação de outros personagens

    Se tem algo que eu adoro é ver outros personagens que tem relação com a história, é ótimo para entender os próximos filmes e a relação entre os personagens. Quem acompanhou os trailers, sabe da aparição do Batman no filme, e o melhor foi que ele apareceu bem mais do que esperado, inclusive mostrando sua relação com alguns dos personagens que fazem parte do Esquadrão Suicida, já que é ele que prende a Arlequina e o Pistoleiro.

    Outro personagem que aparece é o Flash, que foi responsável por prender o Capitão Bumerangue durante um rouba de diamantes. É muito legal já ver ele com o primeiro uniforme, adorei!

    5. Trilha Sonora

    O que seria de um filme de super heróis sem uma boa trilha sonora? Desde os trailers, já sabíamos que a trilha seria daquelas que faria toda a diferença e daria o tom certo ao filme.

    A trilha inclui 14 músicas, muitas delas bem explícitas e até por isso tiveram de vir com selo de advertência para os pais. Dentre as músicas temos Bohemian Rhapsody do Queen, que foi a escolhida para um dos melhores trailers do filme e está interpretada pelo Panic! At The Disco, além de Eminem, Grimes dentro outros.

    Muito Mais!

    Coringa

    E o Coringa? Como ele é? Será que Jared Leto conseguiu superar o Heath Ledger? Confesso que apesar de me sentir um pouco incomodada com o estilo gângster, acredito que ainda temos muito o que ver antes de ter uma opinião 100% formada. Muito do que foi gravado acabou sendo cortado, inclusive cenas que apareceram em trailers. Eu gosto muito do Jared Leto e da escolha dele para ser o Coringa, não acho que ele vá aparecer no próximo Batman, mas uma coisa que podiam ter feito já em Esquadrão Suicida, era ter colocado ele como o grande vilão, acho que teria sido uma ideia interessante. Ainda mais tendo a Arlequina, o que daria um bom contrapondo e mostraria ainda mais a lealdade dela para com ele.

    A Liga da Justiça

    E rolou cena pós-créditos! Ou melhor, no meio dos créditos! É uma conversa entre a Amanda Waller e o Bruce Wayne, em que ela pede proteção e em troca ele pede as fichas de todos os meta-humanos, e nisso ele folheia e temos Aquaman e Flash, ou seja, um início para A Liga da Justiça. E ainda temos no diálogo a Amanda dando a entender que sabe que ele é o Batman.

    Eles são mesmos os vilões?

    Uma das coisas que percebi, é que por trás de muito dos vilões, com toda a história sendo contada, percebemos que eles não são 100% maus. Na verdade, pensando bem, o Pistoleiro mata por dinheiro, a Arlequina é louca e o El Diablo se culpa pelas mortes que causou. É muito difícil pensar em como mostrar um lado mais humano para esses personagens, e isso o filme acaba até que retratando bem, principalmente nos flashbacks.

    Próximos filmes do Universo DC. O que esperar?

    Pelo que vimos em Esquadrão Suicida, temos um bom ponto de partida para os próximos filmes da DC, com chances de ter a dupla Arlequina + Coringa como um dos próximos vilões dos filmes do Batman, assim como o Pistoleiro, que tem uma história pessoal com ele – e que acabou sendo um dos principais personagens do filme- , já que o Batman o prendeu em um beco, enquanto ele estava com sua filha.

    Outra deixa, é a aparição do Flash prendendo o Capitão Bumerangue, que pode indicar ele como um possível vilão para um próximo filme do personagem!

    No geral, eu gostei bastante do filme, ele é bem diferente em se tratando de filme de heróis, e comparado aos filmes da Marvel, não tem tanto o lado cômico, sendo mais sombrio. Vale muito a pena assistir, conhecer os novos personagens e começar a entender melhor os vilões e heróis do Universo da DC!

    Já assistiu? Então me conta nos comentários o que achou do filme. Quero saber sua opinião!

    Cultura

    Stranger Things: 5 motivos para assistir a série

    Fazia muito tempo que eu não via uma comoção tão grande em torno de uma série! A Netflix acertou em cheio com Stranger Things, uma série de ficção científica que se passa nos anos 80 e que contém inúmeras referências à filmes daquela década.

    A série foi lançada de uma única vez no dia 15 de julho, tendo ao todo 8 episódios e dirigida pelos irmãos Duffer. A história de passa em 1983 na cidade de Hawkins, Indiana, e tudo corria tranquilamente até o filho de Joyce sumir de maneira muito misteriosa. Com a polícia indo atrás de pistas, os amigos de Will resolvem sair em busca dele. Mike, Lucas e Dustin resolvem fazer uma investigação e acabam se deparando com forças sobrenaturais, segredos governamentais e uma garota um tanto estranha, que possui uma tatuagem no pulso com o número 11.

    Stranger Things: 5 motivos para assistir a série do Netflix

    A série se passa nos anos 80, não só como cenário mas também trazendo toda a atmosfera da época, principalmente culturalmente, numa década em que o gênero de ficção e fantasia se tornaram tão importantes, trazendo filmes de Spielberg como E.T. e também uma das melhores fases de Stephen King, com filmes como A Hora do Pesadelo, sem contar na realidade paralela que permeiam os jogos de RPG.

    5 Motivos para assistir Strange Things

    O que não faltam são motivos para assistir a série, mas não custa nada listar os meus 5 motivos favoritos!

    1. Referências

    Pra mim, as referências aos filmes dos anos 80 são as melhores coisas do seriado! Pra quem assistiu aos grandes filmes daquela época e tem uma paixão por ficção científica, certeza de que vai reconhecer cenas inspiradas em E.T., Goonies, O Iluminado e muitos outros. Vale ver o video abaixo que tem circulado por aí mostrando as referências!

    2. Elenco e Personagens

    Não sei nem por onde começar a falar do elenco, que tem Winona Ryder no papel da mãe de Will, o garoto desaparecido, e um elenco infantil maravilhoso! A atriz Millie Brown impressiona muito no papel de Eleven, já que é uma personagem que praticamente não tem diálogo, e o foco são as expressões dela!

    Stranger Things: 5 motivos para assistir a série do Netflix

    Em Stranger Things são os personagens que fazem com que tudo seja realmente maravilhoso. É fácil se apegar a história de amizade entre Will (Noah Schnapp), Mike (Finn Wolfhard), Dustin (Gaten Matarazzo), Lucas (Caleb McLaughlin) e Eleven (Millie Brown), que mostram o quanto a força da amizade é capaz de muitas coisas, sendo capaz de superar tantos problemas. Outro destaque é o Xerife Hopper (David Harbour), que tem um história emocionante, que é revelada aos poucos através de flashbacks.

    3. Trilha Sonora

    Impossível não amar a trilha sonora com músicas dos anos 80 e com clássicos do rock’n roll, como Should I Stay or Should I Go do The Clash, além de New Order, The Smiths, The Bangles e David Bowie. A música de abertura foi composta po Kyle Dixon e Michal Sten, pensando em criar uma atmosfera de mistério, bem no estilo dos filmes do gênero. O Spotify criou uma playlist especial que vale muito a pena ouvir!

    4. Fotografia e Roteiro

    Se tem algo capaz de deixar uma série ou filme fazendo ainda mais sentido, é a fotografia. No caso de Stranger Things, ela é mais escura e trás a estética dos anos 80. É uma série muito boa tecnicamente, com bons ganchos entre os episódios. Até os créditos iniciais e a forma como o episódio é apresentado foi pensando para manter a estética da década e ter tudo muito bem encaixado! Ah, vale lembrar que a série é perfeita para uma maratona, sem deixar ela monótona. Mais um ponto positivo.

    Stranger Things

    5. Temática e MUITA teoria da conspiração

    Alguém me explica como não amar ficção científica? É um dos meus gêneros favoritos, tanto em filmes e séries, como também em livros. Adoro uma boa teoria da conspiração e isso é o que não falta ao longo dos 8 episódios dessa primeira temporada. Tem governo ocultando o sobrenatural? Tem. Tem gente sumindo? Tem. Pra assistir e criar as suas próprias teorias.

    Resumindo

    A Netflix acertou em cheio na série, ela tem todos os elementos que muita gente adora: anos 80, mistério, ótimo elenco e uma história muito boa! Vale a pena assistir e mais do que isso, fazer um mergulho nas produções dos anos 80 e assistir novamente E.T., Goonies, A Hora do Pesadelo e muitos outros!

    Beleza

    Pra sentir a música!

    Quem nunca desejou chegar perto do seu artista preferido? Grudar na grade e gritar até não poder mais? Ser visto? Eu como fã assumida de rock, já me descabelei até dizer chega, já grudei na grade e gritei até me olharem. E a sensação maravilhosa que ficamos depois? De sentir que eles conhecem a gente?

    Mas para aguentar horas na fila, embaixo de sol e muitas vezes de chuva, é preciso estar preparada e ter muita confiança! Além de uma roupa confortável e aquele tênis amigo de todas as horas, precisamos cuidar da pele e do cabelo. O protetor solar é obrigatório e o cabelo tem que ficar no lugar, afinal, eles podem olhar pra gente! Mas nada que um bom penteado nos ajude, e vale conferir esse tutorial de trança amarradinha, que é fácil de fazer e perfeita para um show! O melhor de tudo é que dá para fazer em todos os tipos de cabelo, e vai aguentar os pulos e toda a emoção de estar no meio de um show!

    Com tudo pronto, é só se preparar e correr atrás dos seus sonhos, afinal um show desses #VaiqVaiPraLista! E é isso o que a campanha da Seda quer mostrar: você pode fazer tudo o que deseja quando se sente confiante! O seu é ficar na grade? Ir naquele festival incrível e ver sua banda favorita? Então corre atrás, pois vale a pena!

     

    Este post é um publieditorial